Área restrita Lembrar senha

voltar

História da Lubrificacão

A importância do atrito e a resistência do movimento tem sido muito reconhecida através da nossa civilização. Contamos aqui, de onde surgiu a necessidade e a importância da lubrificação.

...Tudo começou no Antigo Egito, com a necessidade de “transportar” colossos e blocos para a construção de Esfinges e Pirâmides. Como a lubrificação era desconhecida, os escravos egípcios usavam galhos de arvores para arrastar e puxar os trenós com aproximadamente 60 toneladas de blocos.

A função dos galhos de árvore (roletes), era reduzir o atrito de deslizamento entre o trenó e o solo, transformando-os em atrito de rolamento.

2600 a.C

Foi encontrado o 1º vestígio de lubrificação nas rodas do trenó que pertenceu a Ra-Em-Ka (Rei do Egito), comprovado por análise que o lubrificante era sebo de boi ou de carneiro.
Após esta descoberta, concluiu-se que no Antigo Egito utilizou-se este sebo como lubrificante em baixo dos trenós, para facilitar o deslizamento.

776 a.C – 393 d.C

Nesta época a Grécia celebrou os primeiros Jogos Olímpicos, uma tradição que seguiu de quatro em quatro anos. Uma das modalidades desta Olimpíada era a corrida de Bigas, que também tinham os eixos lubrificados por gordura animal.

200 d.C

Nesta época, os romanos também utilizaram as Bigas como meio de transporte, que por sua vez também eram lubrificadas por gordura animal.

Séc. V ao X

Na Idade Média a gordura animal era usada em pouca quantidade para lubrificar o mecanismo de abertura dos portões dos castelos que rangiam e nas rodas das carruagens que transportavam reis e rainhas.

Séc. VIII

No final deste século, na Noruega, ano de 780, os Vikings Guerreiros e Aventureiros Marítimos eram experts na construção de barcos. Construíram os primeiros e aperfeiçoados Drakkars – compridos barcos à vela. Por um bom tempo, foi usado o óleo de baleia para lubrificar o suporte de articulação das velas e o eixo do leme.

Séc. XV

No início das grandes navegações comerciais, o óleo de baleia também foi usado para lubrificar os moitões e timões dos navios.
O Pétróleo, mineral existente a cerca de 300 milhões de anos, proporcionou na Antiguidade fins medicinais e posteriormente passou a ser empregado na Lubrificação. Era conhecido como “óleo de pedra, óleo mineral e óleo de nafta”.

Séc. XVI

Com a invenção de engenhocas, surgiu a necessidade da lubrificação vinda do petróleo, para o seu perfeito funcionamento.

Séc. XVII e XVIII

Com o desenvolvimento da civilização e invenções ainda mais revolucionárias, destacamos um dos grandes inventores, Leonardo da Vinci, que elaborou grandes projetos que também contribuíram para o progresso da lubrificação, como a Besta de disparo potencializado (catapultas), máquina escavadora, entre muitos outros.

Séc. XVIII

O fenômeno da Revolução Industrial provocou a mecanização da indústria e dos transportes. Com o crescimento das máquinas têxteis foi utilizado lubrificante para o bom funcionamento das máquinas.

Séc. XIX

Neste século, na Pensilvânia (EUA) ocorreram 3 fatos marcantes:
1º) Em 1859, um ex-maquinista de trem americano, Edwin Drake, perfurou o 1º poço de petróleo com 21 metros de profundidade. Com isso, era extraído, aproximadamente, 3.200 litros de Petróleo por dia.
2º) Surgiu a necessidade de lubrificar os mancais dos trens, a cada 160 Km rodados.
3º) Com as inovações das máquinas, a lubrificação passou de esporádica à necessária.
Após 5 anos da descoberta de Edwin Drake, 543 companhias dedicaram-se à extração do petróleo.

Séc. XX

Nesta época, com a 2º Guerra Mundial e a necessidade de máquinas mais potentes e canhões, o lubrificante foi usado em quantidades espantosas. Com a revolução foram surgindo diversos equipamentos que necessitavam de uma lubrificação. Assim como os equipamentos, novos lubrificantes surgem com o objetivo de reduzir ao máximo o atrito e prolongar a vida útil dos equipamentos.

A lubrificação nos dias atuais


Assim como as máquinas, os lubrificantes sofreram alterações tecnológicas para atender as necessidades extremas em processos industriais.

Hoje, existem várias empresas no mercado que fabricam vários tipos de lubrificantes, de origem mineral, sintética e especiais. Além de ter uma grande utilização, o lubrificante tem formas de aplicações corretas. Para isso, existem equipamentos para lubrificação, diponíveis no Brasil desde 1950, que são de uso fundamental e também minimizam o risco da contaminação dos lubrificantes.

Com a preocupação mundial ao meio ambiente, foram feitas vários estudos e pesquisas para os lubrificantes pudessem ser usados sem agredir a natureza.

Para isso, existe a rerrefinação do lubrificante usado e o “óleo verde” que é vegetal biodegradável e uma opção aos usuários para que evitem mais agressões ao meio ambiente.

Atualmente, a lubrificação é fator decisivo no poder de competitividade sendo uma fonte de ganhos, proporcionando melhorias na performance dos equipamentos e, principalmente, na redução nos custos de manutenção.

Fonte de Pesquisa:


CARRETEIRO, Ronald P. & MOURA, Carlos R. S. Lubrificantes e Lubrificação. Rio de Janeiro: Editora Makron Books.
CLAUDINO, João B. Motores Diesel Comerciais no Brasil e no Meio Ambiente. São Paulo: Editora Núcleo.
Apostila de Tribologia. Escola de Engenharia de São Carlos
Depto de Eng.ª Mecânica.
Pesquisas no site de busca Google.
Dados internos.

Esqueci minha Senha!

Digite seu e-mail abaixo que reenviaremos sua senha para seu e-mail.